Boas práticas empresariais para valorização da vida

Neste mês  acontece a campanha Setembro Amarelo, uma importante iniciativa que tem como objetivo a  prevenção ao suicídio. O movimento é realizado desde 2015, com apoio da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM) e o Centro de Valorização da Vida (CVV), como forma de dar visibilidade e estimular a conscientização nacional sobre o assunto 

Esta é uma oportunidade para  fomentarmos a difusão de informações já conhecidas. Entendemos a relevância de gerar discussões e apresentar dados quando analisamos índices sociais que nos contextualizam sobre o cenário atual. No Brasil, por exemplo, são registrados cerca de 14 mil casos por ano, refletindo em uma média de 38 por dia. Entre os jovens de 15 a 29 anos, é a quarta principal causa de mortes.  

Abordando o tema pela ótica trabalhista, considerando uma jornada de oito horas diárias, um terço do dia é destinado ao trabalho, sendo inegável o quanto o ambiente laboral impacta na saúde mental dos trabalhadores, tanto para o bem como para o mal.  

 

O objetivo deste artigo é elucidar como empresas podem proporcionar um ambiente de trabalho saudável e respeitoso, com simples mecanismos dispostos na lei e apresentar algumas novidades do mercado.  

 

  • Tempo de lazer: já ouviu falar do ócio criativo? Este tempo de descanso é essencial para a criatividade dos seres humanos. Evitar jornadas extenuantes de trabalho é um primeiro passo para que a equipe possa ser mais produtiva. O banco de horas é uma ótima alternativa para possibilitar a compensação de horas a mais no trabalho com períodos de descansos e pode ser feito de forma individual, por acordo escrito, com duração de seis meses. A legislação atual admite, também, o banco de horas verbal, se a compensação das horas ocorrer no mesmo mês. Exemplo: trabalhou a mais em um dia? Chegue mais tarde o dia seguinte, para poder compensar as horas extras.  

 

  • Relacionamento: como está o clima entre seus funcionários? O gestor é peça fundamental neste quesito, pois além de guiar cada funcionário, também observará a relação entre a equipe. Sabemos que o dia a dia pode ser estressante, mas se tivermos palavras agressivas, desrespeito e cobrança excessiva, a situação será muito pior. Conscientize seus gestores de que funcionários felizes trabalham melhor, estimule a criatividade e reprima qualquer tipo de tratamento indesejado. A fiscalização é essencial para saber, de fato, como está o relacionamento entre funcionários. Apontamos duas ferramentas que poderão trazer ótimos resultados: treinamentos e canal de denúncia externo. Nos treinamentos será possível conscientizar os funcionários e o canal de denúncia externo é uma forma de incentivar a fala.  

 

  • Aplicativos de saúde e bem-estar: atualmente há no mercado aplicativos que focam unicamente na saúde e bem-estar das pessoas. Alguns trazem exercícios que trabalham a respiração, músicas tranquilizantes e meditação guiadas. Outros disponibilizam terapias e aulas de yoga. Há ainda os que foquem em exercícios físicos e jogos que auxiliam no alívio do stress. Algumas versões trazem selos corporativos, em que os funcionários somam pontos cada vez que utilizado algum serviço do aplicativo. Quanto maior o uso, melhor colocação a empresa terá.  

 

  • Divulgação da campanha: organizar ações com colaboradores, e com orientação em relação às doenças mentais é essencial para que todos tenham mais conhecimento acerca do tema. É importante divulgar, também, o canal 188 do Centro de Valorização a vida, que promove apoio e auxilia na prevenção ao suicídio.   

 

Reforçamos que todo CNPJ é feito de CPFs. Investir na saúde mental dos trabalhadores é investimento no seu negócio.