“Decidi empreender e preciso contratar pessoas” – Saiba 10 boas práticas

Diante do momento de crise vivido em razão da Covid-19, entre 2019/2020, 10 milhões de empreendedores encerraram suas atividades, ao mesmo tempo que novos empreendedores se viram obrigados a criar novos negócios, diante da escassez de trabalho no mercado. Em pesquisa realizada pela Global Entrepreneurship Monitor (GEM), que contou com apoio do Sebrae e do Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBPQ), a taxa de empreendedores estabelecidos (com mais de três anos de atuação) caiu de 16,2% para 8,7%, ao passo que o número de empreendedores iniciais, motivados por necessidade, saltou de 37,5% para 50,4%.

Apesar da situação econômica do país ter grande impacto na sobrevivência dos negócios, a má gestão da empresa pode ser a causa de falência e do encerramento das atividades. Nesse sentido, destacamos 10 boas práticas do que fazer ou não ao contratar pessoas:

O que fazer:

  • Escolha a modalidade de contrato que melhor se adapte à sua demanda. Por exemplo: o contrato terá prazo para começar ou terminar? Se sim, opte pelo contrato a prazo, pois não haverá aviso prévio e multa de 40% do FGTS.
  • Utilize do contrato por experiência, sempre feito de forma escrita, com menção ao prazo e eventual prorrogação.
  • Ajuste o horário de trabalho à sua necessidade, por meio de um acordo de compensação de horas.
  • Sempre analise o piso da categoria para não contratar por menos.
  • Estude a convenção coletiva e verifique os benefícios concedidos. O custo do funcionário não deverá ser calculado apenas pelo valor do salário.

O que não fazer:

  • Perguntas pessoais no processo de seleção, tais como se a pessoa pretende engravidar, se tem filhos, ou qualquer outra questão pessoal.
  • Pedir certidões de antecedentes criminais. O Tribunal Superior do Trabalho admite o pedido apenas quando há amparo legal ou justificativa em razão da natureza do trabalho. Exemplo: cargos que lidem com dinheiro.
  • Informar que o candidato passou no processo seletivo e depois voltar atrás. Ações de danos morais por promessa na contratação são recorrentes na Justiça.
  • Contratar sem registro por pedido do funcionário. Pela legislação atual, isso não é permitido. É obrigação da empresa fazer o registro.
  • Autorizar o início do trabalho sem realização de exame admissional.