Notícias

Governo cria site para realização de autodiagnóstico trabalhista das medidas e precauções relacionadas ao coronavírus (COVID-19)

Criado especialmente para as pequenas empresas, o Governo disponibilizou serviço gratuito no site: https://www.gov.br/pt-br/servicos/realizar-autodiagnostico-trabalhista para que as empresas possam verificar qual o grau de cumprimento com as normas de saúde e segurança relacionadas ao COVID-19.

 

O serviço é gratuito e possui autodiagnósticos separados por setores: geral, serviços de saúde, supermercados, construção civil, telesserviços e frigoríficos.

 

O autodiagnóstico possui quatro partes: preparação, identificação da situação, gráficos da situação e planos de melhorias.

 

No site, não localizamos aviso de sigilo ou regras sobre como o Governo poderia usar essas informações.

Segurança dos trabalhadores em tempos de COVID 19

Máxima atenção com a saúde dos trabalhadores nesse período de pandemia. A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia produziu um documento com orientações importantes que podem ser seguidas (Ofício Circular SEI nº 1088/2020/ME).

 

Não adianta só passar as informações, é necessário que fique registrado todas as medidas tomadas, tais como, rodízio de funcionários, distanciamento de um metro entre trabalhadores, inclusive no horário de almoço e descanso, reforço da limpeza da empresa, entre outras medidas.

 

Passe vídeos de como lavar as mãos, usar a máscara, faça perguntas e respostas para deixar registrado que o funcionário entendeu.

 

Envolva a CIPA e o SESMT, crie comitês especial de COVID-19 envolvendo várias áreas da empresa.

 

Em eventuais ações trabalhistas, todo esse cuidado deverá ser comprovado.

 

Ultimas Alterações Legislativas

Na última sexta-feira, foi publicada Portaria nº 10.486/2020, a qual edita normas sobre o Bem – benefício pago pelo governo durante a suspensão do contrato e redução proporcional de jornada e salário. Vejam as principais alterações:

 

– Vedada a celebração de acordos para quem recebe benefício de prestação continuada do RGPS, ressalvados os benefícios de pensão por morte e auxílio acidente. Por exemplo: aposentados.

 

– redução proporcional de jornada de trabalho e de salário : Cancelamento do benefício se for comprovado mesmo nível de exigência de produtividade ou de efetivo desempenho do trabalho existente antes do acordo, para os empregados não sujeitos a controle de jornada e os empregados que percebam remuneração variável. Ex: home office e comissionistas.

 

– Salário a ser informado para recebimento do benefício: o informado no CNIS nos últimos 3 meses, antes da redução ou suspensão. Se o trabalhador estiver afastado, o valor base será apurado com a média dos 2 (dois) últimos ou, ainda, no valor do último salário. Na ausência de informações no CNIS sobre os últimos três meses do salário, o valor base será o valor do salário mínimo nacional

 

– A informação do acordo para recebimento do BEm deverá ser realizada pelo empregador

exclusivamente por meio eletrônico, no endereço https://servicos.mte.gov.br/bem, podendo ser informado individualmente, ou por meio de arquivos no formato “csv”, os acordos celebrados. O acompanhamento para concessão do benefício será feito no portal “empregador web”.

 

– Informações e arquivos para o Ministério da Economia, conforme leiaute padronizado disponível no

endereço eletrônico “http://servicos.mte.gov.br/bem/“.

 

– Conta bancária do trabalhador: autorização expressa desse sentido.

 

– Empregador e empregado poderão alterar a qualquer tempo os termos do acordo pactuado informado ao Ministério da Economia, desde que no prazo de 2 dias da nova pactuação. Atenção: se as alterações forem feitas 10 dias antes de receber o benefício, a diferença será feita no mês subsequente.

 

– Quando a exigência envolver dados não declarados ou declarados incorretamente, a concessão do BEm e os prazos de pagamento ficarão condicionados à retificação das informações.

 

– Indeferimento do BEm ou arquivamento: prazo de 10 dias da notificação.

 

– Pagamento recebidos a maior ou indevidos: responsabilidade do empregador em pagar, por meio de guia GRU. ATENÇÃO: diante disso, ter cláusula no aditivo contratual que determine a informação do valor do benefício e autorize o desconto do funcionário.

 

– Os acordos informados até a data de entrada em vigor desta portaria em desconformidade com suas disposições deverão ser regularizados em até 15 (quinze) dias, se necessária alguma informação complementar do empregador.